A Joaninha que Perdeu as Pintinhas -Ducarmo Paes

Essa história já é rimada por natureza, e gosto muito do jeito que ela é escrita, por isso vou contá-la quase sem alterações, assim como faço com a “Chapéuzinho Amarelo”. Mas como ela será contada pela própria Joaninha amanhã, na escola Brincantes aproveito hoje para transcrevê-la aqui como um último exercício de memorização e assim posso ajudar um pouquinho a divulgar esta linda história..

……………………………………………………………………………………………………………….

A JOANINHA QUE PERDEU AS PINTINHAS (Ducarmo Paes)

Tininha, era uma joaninha bem vermelha e com bolinhas pretas. Um dia ela passeava sozinha e foi um rio atravessar, escorregou em um galho seco e pôs-se então a gritar:

-Socorro! Socorro! Eu não sei nadar.

Na água se debatia tentando não se afogar, virou as asas pra baixo e começou a remar. Quando alcançou as margens, começou a caminhar, precisava voltar para casa para mamãe não preocupar.

-Mamãe, veja eu voltei! Nunca mais vou me atrasar. Por favor fale comigo, eu quero te abraçar.

-Você não é minha filha, não queira me enganar. Minha filha é pintadinha, volte já pro seu lugar.

Tininha se assustou e começou a chorar, precisava de suas pintas pra casa poder voltar.

Voltou correndo para o rio, na esperança de encontrar todas as pintinhas das asas que ela perdera ao nadar.

Subiu numa folha verde para o rio navegar e a todos que encontrava parava pra perguntar:

-Você viu minhas pintinhas que estavam na minha asinha? Se você as encontrar, faça o favor de me avisar.

Perguntou pra borboleta, que voava ali do lado. Perguntou pro passarinho, pro mosquito e pro sapo. Todo mundo que encontrava perguntava a Joaninha, mas ninguém, ninguém mesmo, tinha visto suas pintinhas.

E muito viajou a Joaninha, sobre a folha a navegar, passou em baixo da ponte, viu muitos peixinhos a nadar. Admirando a natureza, nem viu o tempo passar, viu o Sol se esconder e o céu se estrelar. E só se deu conta de si, quando foi lançada ao mar…

-Onde estou? Que água é essa que só fica a balançar? Agora ficou mais difícil das minhas pintas eu encontrar.

Chegou na praia perdida, com vontade de chorar, saiu andando na areia, cabisbaixa a soluçar, esbarrou em um sapato e elevou o seu olhar.

Um jovem pintava um quadro retratando o vasto mar, tinha um barco lá no fundo e gaivotas a voar. O pintor pegou Tininha e pôs na palma da mão:

-Você não é borboleta. Você não é camarão. Você não é siri. Quem é você então?

-Sou apenas uma Joaninha, que perdeu suas pintinha e enquanto não encontrar, não posso pra casa voltar.

Mas o pintor teve uma ideia para a Tininha ajudar e então bem cuidadoso começou a trabalhar, tinha um sério compromisso: lindas pintinhas pintar. Com a tinta e o pincel logo já estava a pintar cada bolinha da asa para a tinha alegrar.

A formiga, grande amiga, correu na frente pra avisar:

-Dona Joana, Dona Joana, sua filha já vai chegar, prepare uma grande festa e vamos comemorar, Tininha já está de volta para o seu querido lar.

E dona Joana veio correndo para Tininha abraçar.

FIM

………………………………………………………………………………….

Para ver mais contos desse jardim clique no menu  (são esses risquinhos mesmo no alto da página, canto direito).

Entre em contato pelo telefone ou whats: 8821-0113 ou 88664004 (Taina Andere)

Encante suas festas com os contos e as brincadeiras do Jardim de Histórias, leve nossas contações de história para a sua escola!!!

1 comentário

  1. Anônimo · 23 dias atrás

    Historia linda!Parabéns

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s