Flicts – Ziraldo

Mais uma daquelas que vem praticamente sem alterações, apenas para memorizar….Mas deixo aqui a dica: para as minhas contações, por algum motivo que eu não sei explicar, Flicts é uma história que só funciona com o recurso do livro acompanhando. Talvez seja uma história deveras visual…

……………………………………………………………………………………………………..

FLICTS – Ziraldo

Era uma vez uma cor muito rara e muito triste que se chamava Flicts.

Não tinha a Força do vermelho, não tinha a imensa luz do amarelo, nem a paz que o azul tem.

Era apenas o frágil e feio e aflito Flicts.

Tudo no mundo tem uma cor, tudo no mundo é azul, cor de rosa ou furta cor,  é vermelho ou amarelo, roxo, violeta ou lilás. Mas não existe nada no mundo que seja Flicts.

Nem a sua solidão.

Flicts nunca teve par. Nunca teve seu lugar num espaço bicolor (e tricolor muito menos – pois três sempre foi demais).

Não. Não existe no mundo nada que seja Flicts.

Na escola, a caixa de lápis de cor, cheia de lápis de colorir paisagem, casinha e cerca e telhado, árvore, flor e caminho, laço, ciranda e fita.

Não tem lugar para Flicts.

Quando volta a primavera e o parque todo e o jardim todo se cobrem de flores de todas as cores. Nem uma cor ou ninguém quer brincar com o pobre Flicts.

Um dia ele viu no céu, depois de uma chuva cinzenta, a turma toda feliz saindo para o recreio e se chegou pra brincar:

-Deixa eu ficar na Berlinda? Deixa eu ser a cabra-cega? Deixa eu ficar no pique? Deixa eu ser o cavalinho?

Mas ninguém olhou para ele. Só disseram frases curtas, cada um por sua vez:

-Sete é um número tão bonito- disse o vermelho Vermelho.

-Não tem lugar pra você!- disse o Laranja.

-Vai se olhar no espelho! – disse o Amarelo.

-Somos uma grande família. – disse o Verde

-Temos um nome a zelar. – disse o Azul.

-Não quebre uma tradição.- disse claro o Azul anil.

-Por favor, não queira mudar a ordem natural das coisas. – disse o violento Violeta.

E as sete cores se deram a mão e à roda voltaram e voltaram a girar.

E mais uma vez deixaram o frágil, feio e aflito Flicts na sua branca solidão.

Mas Flicts não se emendava (e porque se emendar? Não era bom viver tão só). E saiu a procura de um emprego para fazer a salvação no trabalho.

-Será que eu não posse ter um cantinho ou uma faixa, em escudo ou brasão? Em bandeira ou estandarte?

-Não há vagas- falou o Azul.

-Não há vagas.- sussurrou o Branco.

-Não há vagas!- berrou o Vermelho.

Mas existem mil bandeiras, trabalho pra tanta cor. E Flicts correu o mundo a procura do seu lugar. E Flicts correu o mundo…

Pelas terras mais antigas. Mas nem mesmo nas terras mais novas, nem as bandeiras novas e as bandeiras todas que ainda serão criadas se lembraram de Flicts, ou pensaram em Flicts para ser a sua cor, não tinham para ele nem um lugar em uma estrela, uma faixa ou uma inscrição.

Nada no mundo é Flicts ou ao menos quer ser.

O céu por exemplo é Azul e todo do Azul é o mar.

-Mas quem sabe o mar? Quem sabe- pensa Flicts agitado.

O mar é tão inconstante. É cinzento se o dia é cinzento, como um imenso lago de chumbo.

 E muda com o Sol ou com a chuva, negro, salgado ou vermelho. O mar é tão inconstante, tantas cores tem o mar, mas para o pobre do Flicts suas cores não dão lugar.

E o pobre Flicts procura alguém para ser seu par, um companheiro, um irmão, um amigo complementar.

Em cada praça ou jardim, em cada rua ou esquina pergunta:

-Posso ser seu amigo?

-Não- lhe diz o vermelho.

-Espera.- o amarelo diz.

-Vá embora!- manda o verde.

Um dia Flicts parou! E parou de procurar.

Olhou para longe, bem longe. E foi subindo e subindo. E foi subindo e sumindo. E foi sumindo e sumindo. E foi sumindo e sumiu.

Sumiu que o olhar mais agudo não podia adivinhar para onde que tinha ido. Para onde tinha se escondido. Em que lugar se escondera o frágil, feio e aflito Flicts.

E hoje com dia claro, mesmo com o Sol muito alto, quando a Lua vem brigar com o brilho do Sol, a Lua é Azul.

Quando a Lua aparece no fim da tardes de outono, do outro lado do mar, como uma bola de fogo, ela é redonda e Vermelha.

E nas noites muito claras, quando o céu e só dela, a Lua é ouro e prata, grande bola Amarela.

Mas ninguém sabe a verdade (a não ser os astronautas) que de perto, de pertinho a Lua é Flicts!

 FIM

Para ver outros contos do meu jardim, minhas criações e versões rimadas, clique no menu, são esses risquinhos mesmo no alto da página, canto direito.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento. Entre em contato:

Telefone: 41 98821 0113

Email: meujardimdehistorias@gmail.com

Deixe suas dicas e sugestões.

1 comentário

  1. Anônimo · maio 20

    que legal fiquei emocionado

    Curtir

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s