A Linda Rosa Juvenil

Esta é uma clássica história rítmica de roda que as crianças adoram tanto escutar quanto representar. Ela deve ser cantada diversas vezes até que todas as crianças tenha participado ao menos uma vez da encenação como um dos personagens principais. Para a representação eu uso uma coroa de princesa para a rosa juvenil, uma coroa de rei para o rei e um chapéu de bruxa.

A LINDA ROSA JUVENIL

A linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil. A linda Rosa juvenil, juvenil.

Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar. Vivia alegre no seu lar, no seu lar.

Um dia veio a Bruxa má, muito má, muito má. Um dia veio a Bruxa má, muito má.

E enfeitiçou a Rosa assim, bem assim, bem assim.  E enfeitiçou a Rosa assim, bem assim.

-Não há de acordar jamais, nunca mais, nunca mais. Não há de acordar jamais, nunca mais.

O tempo passou a correr, a correr, a correr. O tempo passou a correr, a correr.

O mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor. O mato cresceu ao redor, ao redor.

Um dia veio um lindo Rei. Lindo Rei, lindo Rei. Um dia veio um lindo Rei. Lindo Rei.

E despertou a Rosa assim, bem assim, bem assim. E despertou a Rosa assim, bem assim.

Batamos palma para o Rei, para o Rei, para o Rei. Batamos palamas para o Rei, para o Rei!!!

Fim

………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Para ver mais flores deste jardim, minhas criações ou versões rimadas, clique no menu, são esses risquinhos mesmo no cantinho direito no alto da página.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento ou para a sua escola. Entre em contato:

Telefone: 41 988210113  (vivo/whats)

Email: meujardimdehistorias@gmail.com

O menino e a viola

Essa história foi adaptada de um LP muito antigo chamado Canções de Ninar que eu ouvia quando era criança, na história original tudo começa com uma folha de coca e era assim que eu contava a história. Até que um dia ouvi uma contadora que muito admiro, a Adriana do Malasartes, contando essa história usando a paçoca no lugar da folha de coca, o que facilitou muito o entendimento das crianças e evitou perguntas embaraçosas. Desde então quando conto este conto para crianças pequenas uso eu também a paçoca, deixando a folha de coca apenas para contar a história para crianças maiores como uma introdução para um bate papo sobre a cultura da América espanhola da qual faz parte o costume de mascar folhas de coca…

No conto original o menino começa tropeçando em uma folha de coca no meio do mato, leva a folha pra avó e vai brincar, depois sente fome, pensa na folha de coca e entra em casa cantando a música que é: “Minha vó me dê minha coca, torta ricota que o mato me deu”

O MENINO E A VIOLA

Era uma vez uma velha cozinheira que juntou em um pilão um pouco de amendoim torrado, açúcar mascavo e farinha caipira, moeu tudo bem moído e fez uma deliciosa paçoca. Quando estava pronta ela comeu um bocado e guardou outro pra seu neto.

Quando o menino chegou da escola a avó lhe ofereceu a paçoca, mas ele nem deu bola, foi correndo pro quintal jogar bola. Mais tarde o menino sentiu fome, lembrou da paçoca e entrou em casa cantando:

“Minha vó me dê minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que a velha já havia comido toda a paçoca, deu então ao menino um pouco de angu que sobrara do almoço. Contrariado o menino tacou o angu na parede e seguiu o seu caminho. Mas logo adiante lembrou que tinha fome e voltou cantando:

“Parede me dê meu angu, angu que minha avó me deu. Minha avó comeu minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que a parede já havia comido todo o angu, deu então ao menino um pedaço de sabão. Contrariado o menino guardou o sabão no bolso e seguiu o seu caminho.

Logo o menino chegou em um rio e encontrou uma lavadeira que lava suas roupas apenas com pedras e areia. Apiedado o menino deu-lhe o sabão e seguiu o seu caminho. Mas logo adiante o menino percebeu que estava sujo, fedido. Resolveu tomar um banho, lembrou do pedaço de sabão e voltou cantando:

“Lavadeira me dê meu sabão, sabão que a parede me deu. Parede comeu meu angu, angu que minha avó me deu. Minha avó comeu minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que a lavadeira havia gastado todo o sabão lavando um grande lençol. Deu então ao menino uma navalha. O menino guardou a navalha no bolso e seguiu o seu caminho contrariado.

Logo o menino chegou na praia e encontrou um cesteiro que cortava a palha nos dentes pra fazer suas cestas. Apiedado o menino deu-lhe a navalha e seguiu o seu caminho.

Mais adiante o menino passou por uma vitrine, viu o seu reflexo e notou que sua barba já estava começando a crescer. Resolveu barbear-se, lembrou da navalha e voltou cantando:

“Cesteiro me dê minha navalha, navalha que a lavadeira me deu. Lavadeira gastou meu sabão, sabão que a parede me deu. Parede comeu meu angu, angu que minha avó me deu. Minha avó comeu minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que o cesteiro havia quebrado a navalha cortando uma palha mais dura, Deu então ao menino o último cesto que havia feito. Contrariado o menino seguiu seu caminho levando o cesto na cabeça. Mais adiante encontrou um padeiro que servia seus pães direto no balcão. Apiedado o menino deu-lhe o cesto. Mas como sempre se arrependia de tudo, arrepende-se de ter dado o cesto ao padeiro e voltou cantando:

“Padeiro me dê meu cesto, cesto que o cesteiro me deu. Cesteiro quebrou minha navalha, navalha que a lavadeira me deu. Lavadeira gastou meu sabão, sabão que a parede me deu. Parede comeu meu angu, angu que minha avó me deu. Minha avó comeu minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que o padeiro havia vendido a cesta junto com uma grande encomenda de pães, deu então ao menino o último pão da fornada.

Contrariado o menino seguiu o seu caminho, mas logo na primeira esquina encontrou uma mulher que tomava café puro, sem nada para comer. Apiedado o menino deu-lhe o pão e seguiu o seu caminho. Mas logo lembrou que tinha fome desde o começo da história, pensou no pão e voltou cantando:

“Moça me dê meu pão, pão que o padeiro me deu. Padeiro vendeu meu cesto, cesto que o cesteiro me deu. Cesteiro quebrou minha navalha, navalha que a lavadeira me deu. Lavadeira gastou meu sabão, sabão que a parede me deu. Parede comeu meu angu, angu que minha avó me deu. Minha avó comeu minha paçoca, paçoca, soca, soca que o pilão moeu”

Acontece que a moça já havia comido todo o pão, não sobrara nem uma migalha. Ela deu-lhe então uma viola, que era tudo o que tinha pra dar.

O menino sentiu-se satisfeito pela primeira vez na vida, pegou a viola, subiu no alto de uma árvore e pôs-se tocar e a cantar:

“De paçoca fiz angu, de angu fiz sabão, do sabão fiz uma navalha, de uma navalha fiz um cesto, de um cesto fiz um pão, de um pão fiz uma viola. Dinguiriding e eu vou pra Angola, dinguiriding acabou-se a história. Dinguiriding e acabou-se a história, dinguiriding que eu vou pra Angola.”

FIM

Para ver mais flores deste jardim, minhas criações ou versões rimadas, clique no menu, são esses risquinhos mesmo no cantinho direito no alto da página.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento ou para a sua escola. Entre em contato:

Telefone: 41 988210086  (vivo/whats)

Email: meujardimdehistorias@gmail.com

 

O Casamento de Dona Baratinha

Esta também é uma história clássica, das mais conhecidas, aqui escrita para que eu possa memorizá-la com as minhas rimas.

Também muito conhecida como história da Carochinha. Foi uma das primeiras histórias infantis publicada no Brasil no livro Contos da Carochinha.

……………………………………………………………………………………………………..

O CASAMENTO DA DONA BARATINHA

Era uma vez uma barata chamada Dona Baratinha. Dona baratinha era uma barata das mais limpinhas, que gostava de tudo bem ajeitadinho. Por isso vivia limpando e arrumando a sua casinha.

E limpa que limpa, arruma que arruma, achou uma moeda de ouro. Dona Baratinha ficou felicíssima. Pensou que estava rica e já podia se casar.

Colocou um vestido branco, arrumou um belo laço de fita na cabeça e foi se debruçar na janela, onde pôs-se a cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando um boi elegante que disse todo galante:

-Muuuu! Eu caso com a senhorinha, Dona Baratinha.

-Hum, você daria um bom partido. Só preciso saber de uma coisa se quiseres casar comigo. Quando dorme, como é o seu mugido?

E o boi respondeu:

-Meu mugido quando estou dormindo? Acho que é mais ou menos assim: Muuuuu! Muuuuu!

Dona baratinha levou um baita susto.

-Ai! Assim eu não caso não. Nunca mais iria dormir com todo este barulhão. Sai fora!

E o boi foi embora. Mas Dona Baratinha não se deu por vencida. Recuperou-se do susto, arrumou seu laço de fita e foi para a janela cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando um cavalo esbelto, que foi falando e chegando mais perto:

-Brrrrrrrf! Eu caso com a senhorinha Dona Baratinha.

-Hum! Com você eu bem poderia me casar, mas antes de aceitar, tenho algo para lhe perguntar: como você vai relinchar quando estiver a sonhar?

-Quando eu estiver sonhando vou relinchar mais ou menos assim: Riiiiiiiiiiiiiiinch! Riiiiiiiiinch!

Dona Baratinha levou um baita susto!

-Ai, assim não caso não! Nunca mais ia dormir com todo esse barulhão. Sai fora.

E o cavalo foi embora. Mas Dona Baratinha não se deu por vencida. Recuperou-se do susto, arrumou seu laço de fita e foi para a janela cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando um carneiro que disse faceiro:

-Méééé! Eu caso com a senhorinha, Dona Baratinha.

-Hum, o senhor daria um marido maneiro, seu carneiro. Tenho apenas uma pergunta antes de decidir a nossa sorte: como é o seu balido quando o senhor dorme?

-Meu balido dormindo é mais ou menos assim: Méééééé! Méeééééé!

Dona Baratinha levou um baita susto.

-Ai! Assim eu não caso não. Nunca mais ia dormir com todo este barulhão. Sai fora!

E o carneiro foi embora. Mas Dona Baratinha não se deu por vencida. Recuperou-se do susto, arrumou seu laço de fita e foi para a janela cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando um cachorro latindo e sorrindo:

-Auau! Eu caso com a senhorinha, Dona Baratinha!

– Hum, o senhor seria um marido fiel e dedicado. Tenho apenas uma pergunta antes de me decidir: como o senhor vai latir quando estiver a dormir?

-Meu latido dormindo? Acho que é mais ou menos assim: Aufauf! Aufauf!

Dona Baratinha levou um baita susto.

-Ai! Assim eu não caso não. Nunca mais ia dormir com todo este barulhão. Sai fora!

E o cachorro foi embora. Mas nem mesmo assim Dona Baratinha se deu por vencida. Mais uma vez ela recuperou-se do susto, arrumou seu laço de fita e foi para a janela cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando de um gato. Chegou e soltou o papo:

-Miau! Eu caso com a senhorinha Dona Baratinha.

-Hum, o senhor eu levaria para o altar. Só tenho uma pergunta pra fazer antes de aceitar: como o senhor vai miar quando estiver a sonhar?

-Meu miado quando chega a lua cheia é uma verdadeira beleza: Miaaaaauuuuu! Miiiiaaaauuuuu!

Dona Baratinha levou um baita susto.

-Ai! Assim eu não caso não. Nunca mais ia dormir com todo este barulhão. Sai fora!

E o gato foi embora. Mas Dona Baratinha tinha a casca grossa e ainda não foi dessa vez que ela se deu por vencida. Não! Pela última vez ela recuperou-se do susto, arrumou seu laço de fita e foi para a janela cantar:

“Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha. Quem quer casar com a Dona Baratinha que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha.”

Olhou para um lado e não viu ninguém. Olhou para o outro e nada também. Olhou para a frente… e viu chegando de mansinho o senhor Ratinho:

-Eu caso com a senhorinha, Dona Baratinha.

-Hum! Você é um par ideal, formaríamos um belíssimo casal. Mas diga-me enfim, para que eu possa dizer sim: qual barulho eu vou ouvir quando formos dormir?

-O barulho que eu faço pra dormir? É mais ou menos assim: iiiic, iiiic!

Mas foi tão baixinho que Dona Baratinha teve que pedir para que fizesse mais duas vezes antes que ela conseguisse ouvi-lo.

-Ah, que maravilha! Com este barulhinho eu posso dormir a noite inteirinha. O senhor seu ratinho será o meu marido. Já está decidido.

E assim toda a floresta começou a organizar a grande festa.

As abelhas fizeram os mais deliciosos docinhos e as aranhas teceram belos vestidos. Os gatos se reuniram para limpar o salão onde seria a celebração e os passarinhos, o sapo e o pato formaram uma banda só para a ocasião. Os passarinhos flauteando, o sapo cantando e o pato na percussão. E vieram as borboletas pra deixar a festa enfeitada e chegaram as cozinheiras pra fazer a feijoada. Traziam feijão macio, couve colhida a pouco e as mais variadas partes da carne de porco. Tinha orelha e tinha rabo, tinha pé, paio e focinho. E para deixar mais gostoso tinha toicinho, linguiça e lombinho.

E já era a hora do seu Ratinho ir pro altar quando a tal feijoada começou a cheirar. E o cheiro de toicinho era tão gostoso que o ratinho não se segurou. Aproveitou que as cozinheiras tinham ido assistir ao casamento e deu uma corrida bem rapidinha na cozinha, para sentir de perto aquele suculento cheiro. E subiu na beirada do fogão e abriu a panela pra melhor cheirar e resolveu roubar só um toicinho, que ninguém ia notar. Mas quando se debruçou pra pegar, acabou perdendo o equilíbrio e poft. A tragédia estava armada. Com o casamento todo pronto perdeu-se o noivo e a feijoada.

E a Dona Baratinha então… deve ter ficado arrasada.

Na verdade não muito. Quer dizer, no começo ela ficou muito triste e chorou até cansar, afinal onde já se viu, ficar viúva antes mesmo de se casar. Mas depois ela pensou bem e concluiu que tinha sido o melhor. Ter um marido que gostava menos dela do que de feijoada, no fim ia ser a maior roubada. E assim ela decidiu aproveitar sua moeda de ouro viajando pelo mundo. E não é que em suas viagens ela conheceu o senhor Baratão? Pois foi o que aconteceu. E mesmo sem ter mais a moeda os dois se apaixonaram e se casaram. E até hoje a dona Baratinha vive muito feliz na sua casa ajeitadinha e cheia de baratinhas bem limpinhas…

FIM

…………………………………………………………………………………………………………

Essa história será contada na forma de teatro, eu como a Dona Baratinha e os meus alunos como os pretendentes.

Depois da história nós cantaremos e dançaremos a música “O Sono dos Bichos” do MPB4. (https://www.vagalume.com.br/mpb4/o-sono-dos-bichos.html )

Essa música nos leva  explorar os planos alto, médio e baixo, além da diferença entre os sonos dos bichos, o que nos levará a um rápido bate-papo sobre curiosidades referentes ao sono dos animais.

Em seguida faremos uma brincadeira na qual eu falo o nome de um dos animais da música e eles imitam o seu sono.  Nessa atividade posso avaliar o quanto os alunos gravaram da música que nós dançamos e também a criatividade e a expressão corporal deles ao imitarem os diversos animais dormindo.