A lenda do Boi Bumbá

As lendas passadas de boca à boca através das gerações acabam com inúmeras versões, não é diferente com a lenda do bumba meu boi. Originária do Nordeste retrata a época da escravidão. Embora suas raízes ainda possam ser encontradas na Europa, é uma das versões da lenda nordestina que eu vou lhes contar agora:

………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Era uma vez um casal de escravos, Mãe Catirina e Pai Francisco, que pertenciam a um grande criador de gado.

Mãe Catirina estava grávida e teve vontade de comer língua de boi, mas não de um boi qualquer. Queria a língua de um boi gordo que pertencia ao seu patrão, mas era o boi preferido do homem, pois sabia dançar e divertia a todos da região.

Mas vontade de grávida vocês sabem como é, não se pode ignorar. Com medo do que pudesse acontecer ao seu bebê, Pai Francisco resolveu o tal boi matar. Matou o coitado e deu a língua pra sua mulher cozinhar, Catirina comeu de se lambuzar e o restante do boi repartiu com os outros escravos que raramente podiam comer carne de gado. Sobrou só o chifre, o esqueleto e o rabo que Pai Francisco escondeu no meio do mato.

Pai Francisco ficou com medo do que o patrão pudesse lhe fazer e por isso ele e a esposa fugiram para outra cidade onde ficaram até o bebê nascer e crescer.

Acontece que o dono do boi logo deu por sua falta e saiu a procurar, acabou achando no meio do mato o rabo, o esqueleto e os chifres,  e ficou louco de triste. Mandou chamar pajés e curandeiros, padres e feiticeiros, prometendo rios de dinheiro pra quem fizesse seu boi voltar a viver e a dançar… Mas ninguém conseguia o tal boi ressuscitar.

Eis que o tempo passou e um dia chegou na cidade onde moravam agora o Pai Francisco e a mãe Catirina uma triste notícia. Seu antigo patrão estava morrendo, doente de saudade do boi Bumbá que Pai Francisco havia matado pra vontade de grávida da sua mulher saciar.

Eis Pai Francisco se sentia muito culpado e resolveu se entregar, seu filho que já era crescido então disse:

-Pai Francisco me leve lá que esse boi eu vou ressuscitar.

Vendo o filho tão decidido Pai Francisco e mãe Catirina levaram o filho pra casa do antigo patrão. O menino pegou o chifre do boi e soprou três vezes dentro dele e na mesma hora o boi Bumbá ressuscitou. Saiu dançando e chifrando quem lhe estivesse na frente. A festa foi tão grande e foi tão alta a gritaria que o patrão veio correndo ver o que estava acontecendo. Quando viu seu boi vivo e dançando se curou na mesma hora, perdoou Pai Francisco e Mãe Catirina que o boi agora tinha até uma língua nova. E mandou fazer uma festa como a muito tempo não se via.

E é por isso que desde então, quando chega a época da ressurreição do boi Bumbá, todo o nordeste entre em festa e o boi dança até o dia clarear.

………………………………………………….FIM………………………………………………

Para ver outras flores do meu jardim, clique no menu de histórias que são esses risquinhos no canto direito no alto da página.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento. Entre em contato pelo email meujardimdehistorias@gmail.com ou pelo telefone 98821-0113

Deixe suas opiniões e sugestões nos comentários…

O Pirata Capa Preta

Essa é a história do Pirata Capa Preta. Um pirata que tinha cara de mau, mas que gostava mesmo era de brincar e tomar mingau. Ao invés de caçar tesouros como todo pirata, Capa Preta caçava as lendas brasileiras.

Quem aqui conhece uma lenda brasileira?

Tem a lenda do Boitatá. Uma cobra feita de fogo que vive no meio da mata e que assusta quem desrespeita a natureza.

Tem o Curupira, que tem corpo de menino, cabelo vermelho e os pés virados para trás para enganar os caçadores com as suas pegadas, pois quando parece que ele foi para um lado ele foi para o outro e, assim, pode chegar por trás e dar um baita susto no caçador, protegendo os animaizinhos. Dizem que se você precisar o Curupira chamar, basta três vezes assoviar.

Tem também a Mula-sem-cabeça. Reza a lenda que a muito tempo atrás uma mulher seduziu um padre e, como castigo, foi transformada em uma mula sem cabeça que solta fogo pelo pescoço e vive vagando por aí para assustar as moças que, como ela, se apaixonam por padres.

Mas a lenda que o pirata Capa Preta conseguiu capturar foi a mais bonita de todas. A sereia Iara que de tão bela, mas tão bela, transforme em pedra quem olha pra ela.

Mas pera aí! Como é que o Capa Preta conseguiu capturar a sereia sem poder olhar pra ela pra não virar pedra?

Ora, ele usou um espelho, é claro. E assim pode ver a sereia sem olhar diretamente pra ela e tirar uma foto dela. Sim, porque o pirata Capa Preta é um pirata bonzinho, não ia deixar a pobre sereia presa. Por isso capturou apenas a imagem da bela sereia.

Todavia teve uma lenda que o pirata Capa Preta capturou de verdade, em carne e osso. E ele está aqui, preso dentro desta garrafa. Não estão vendo? É porque o Saci Pererê  é louco de esperto e, quado você captura ele dentro de uma garrafa de vidro o danado fica invisível porque assim, achando que a garrafa está vazia, a gente tira a rolha da garrafa e o danado escapa. Agora segura um pouquinho pra mim a garrafa do Saci. (nessa hora a garrafa deve ser entregue para a criança mais serelepe para que ela abra a garrafa e, nesse momento, aparece o fantoche do saci levando as crianças ao delírio.)

“Saci Pererê, duende encantado.

Mãozinha furada, gorrinho encarnado.

Do redemoinho, do meio do pó,

Surgiu o negrinho de uma perna só.

Com cachimbo na boca, olhando o brejeiro,

pulou minha cerca entrou no terreiro.

Puxou bem o rabo de todos os bois,

juntou em um só nó e fugiu depois.

Saci Pererê só faz confusão.

Apagou o meu fogo, azedou meu feijão,

fez trança na cauda do meu alazão.

Saci Pererê só faz confusão,

puxou minha banqueta e eu caí no chão.”

E para prender o Saci Pererê sabe como fez nosso destemido pirata? Ele pegou uma garrafa de rolha e uma peneira que tinha ao centro uma cruz de madeira, e ficou de guarda na encruzilhada. Quando apareceu um redemoinho de pó nosso pirata sabia que lá dentro estava o Saci escondido. Sem dó ele jogou a peneira por cima do redemoinho, pegou a garrafa de vidro e jogou lá dentro o pobrezinho, que aliás de pobrezinho não tem é nada que o saci é danado que nem um Diabo. (nessa hora o fantoche é jogado dentro de uma caixa e a garrafa vazia novamente fechada com a rolha)

Viu que o danado já ficou invisível pra gente pensar que não tem nada dentro da garrafa?

Mas como eu havia dito no começo da história, o Capa Preta, apesar da cara de mau, gostava mesmo era de comer mingau. Um dia ele acordou bem cedinho pronto pra fazer o seu mingau, mas na hora que ele abriu a dispensa, nada, não tinha nem leite, nem banana e nem aveia. O Capa Preta fez a maior cara de mau, mas logo depois, vendo que não adiantava nada, resolveu sair em busca dos ingredientes para o seu mingau.

Primeiro ele foi atrás da aveia. Mas a plantação de aveia ficava no alto de uma montanha coberta de lava. Pra chegar lá só voando e o navio do pirata não tinha asas. Sabe o que ele fez? Foi pedir ajuda aos passarinhos.

-Ei, passarinhos! Vocês podem me ajudar a pegar aveia no alto da montanha de lava para eu fazer um delicioso mingau?

-Nós pegamos pra você, mas só se você cantar para nós uma música com passarinho…

-Uma música de passarinho? Será crianças, que vocês podem me ajudar?

(as crianças cantam uma música de passarinho)

Os passarinhos gostaram tanto dessa musiquinha que foram voando buscar a aveia no alto da montanha de lava para o pirata Capa Preta.

Agora o Capa Preta já tinha a aveia. O que é mesmo que faltava para ele completar a sua receita?

Isso mesmo, leite e banana. Pra quem vocês acham que ele foi pedir o leite? Para a vaquinha Mimosa que morava no pasto.

-Bom dia vaca Mimosa, tem um pouco de leite para me arrumar?

-Ter eu tenho, mas só vou te dar se uma musiquinha com vaca você cantar.

-E agora? Quem pode me ajudar? Quem conhece uma musica com vaca?

(As crianças cantam uma música com vaca. Muitas vezes nessa hora alguém diz a parlenda da vaca amarela, mas a Mimosa gosta tanto que aceita a parlenda no lugar da música)

A Mimosa gostou tanto da tal musica que deu para o pirata um litro de leite de vaca.

Dessa vez o Capa Preta já tinha o leite e a aveia. Qual era mesmo o ingrediente que faltava?

Isso, a banana. Pra quem será que o pirata foi pedir banana?

Claro, pro macaco.

E o que foi que o macaco falou?

-Só te dou uma banana se uma música com macaco você cantar.

-Música com macaco? Mas eu não conheço nenhuma…. Será que vocês podem me ajudar?

(As crianças cantam uma música com macaco)

O macaco gostou tanto desta musica que deu pro Capa Preta um cacho inteiro de bananas bem maduras.

Finalmente o Capa Preta tinha todos os ingredientes da sua receita e pode fazer um delicioso mingau que ele ainda dividiu com o passarinho, com a vaca Mimosa e até com o macaco. E o mingau estava mesmo delicioso.

FIM

Para ver mais flores deste jardim, minhas criações ou versões rimadas, clique no menu, são esses risquinhos mesmo no cantinho direito no alto da página.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento ou para a sua escola. Entre em contato:

Telefone: 41 988210086  (vivo/whats)

Email: meujardimdehistorias@gmail.com

Traquinagens do Pererê – Taina Andere

Estou criando essa história nova. Se ela der certo e, ano que vem, vier a ser recontada eu certamente volto aqui para podá-la. Se não voltar até o final do ano que vem vão saber que é porque desta vez eu não acertei, não dá pra acertar sempre, né! (rsrs).

………………………………………………………………………………………………………………..

TRAQUINAGENS DO PERERÊ

A vaca Mimosa era uma vaca muito curiosa, gostava de descobrir os porquês das coisas. Por isso mesmo estava sempre fuçando e perguntando.

Um dia viu que os cavalos estavam relinchando alto, pareciam assustados, alvoraçados. Mimosa foi lá correndo e encontrou os cavalos com os rabos todos amarrados. Cada um tentava correr para um lado, era um furdúncio danado.

Mimosa, toda cuidadosa, acalmou os cavalos e ajudou a desamarrar todos os rabos, mas queria saber quem é que tinha feito esse malfeito, acontece que os cavalos não tinham visto nada e só diziam que aconteceu desse jeito:

Todos eles estavam bem tranquilos, comendo beterrabas e quando viram já estavam com o nó nas caudas.

Mimosa começou a investigar a cena do crime e percebeu que havia na cerca um pedacinho de uma roupa vermelha. Seja lá quem fosse que tivesse aprontado a pirraça, a Mimosa já sabia que alguma peça de roupa vermelha o danado usava.

Mimosa ainda estava a investigar quando ouviu a dona Nona gritar:

-Ah, mai num é possíver, quem pôis açúcar no meu feijão? Foi ocê João?

-Eu não muié, tô aqui passando mar porque arguém ponhô sar no meu café.

E lá foi Mimosa sem hesitação pra investigar a nova confusão. Viu que na porta da casa, bem debaixo do caixilho alguém tinha derrubado um pouco de fumo de cachimbo.

Mimosa ainda estava examinando quando ouviu  a vizinha gritando:

-Corre aqui véio Clemente que algum atentado azedou todo nosso leite.

Dessa vez Mimosa não precisou nem chegar lá pra saber quem era que estava a aprontar, poi ainda no caminho viu as pegadas que estavam indo para a casa do vizinho e aquelas eram pegadas que seriam reconhecidas até por um bocoió, porque aquelas pegadas eram de um menino com uma perna só.

Ora, quem é que usa uma roupa vermelha, pra não dizer uma touca. Fuma cachimbo e tem uma perna só? Você sabe me dizer?

É ele mesmo, nosso amigo espevitado, o Saci Pererê.

E para achá-lo Mimosa sabia muito bem o que fazer. Mas antes foi pedir a ajuda do galo Cocó, e pegar as armas de que iriam precisar: uma peneira que por uma cruz era entrecortada e uma garrafa.

E lá foram os dois assim armados pra encruzilhada, Mimosa com a peneira e Cocó com a garrafa.

Chegaram e esperaram aparecer um redemoinho levantando pó então Mimosa com a peneira empurrou o Saci para dentro da garrafa que estava na mão do Cocó. E antes de fechar a garrafa arrancaram sua touca encarnada.

É verdade que assim o Saci ficava invisível, mas era obrigado a fazer tudo que a Mimosa e o Cocó mandavam. E assim passou a ajudar todos aqueles que precisassem e não conseguiu mais aprontam suas traquinagens.

……………………………………………………..FIM………………………………………………………

Se você quer ver outras histórias, que são as flores deste meu jardim, minhas criações e versões rimadas, dê uma olhada no menu, são esses risquinhos mesmo, no canto direito no alto da página.

Leve meus contos e brincadeiras para encantar seu evento. Entre em contato!

Telefone: 41 98821-0086 (vivo/whats)

Email: meujardimdehistorias@gmail.com

Deixe seus comentários com sugestões e opiniões contribuindo assim com o meu jardim…