A Fuga da Felícia

Essa semana eu ia apresentar uma história  ótima de um escritor fantástico chamado Emílio Carlos: “A Menina e o Vampiro”. Mas enquanto eu a decorava esse outro conto surgiu na minha cabeça e acabei optando por trocar minha apresentação. Meu conto ficou bem diferente, mas foi obviamente influenciado pelo conto do Emílio Carlos.  Essa é uma primeira versão, desculpem-me os eventuais erros de português ou digitação, fazem parte do meu processo sanguíneo de criação, volto logo para uma revisão…

…………………………………………………………………………………………………………….

A FUGA DA FELÍCIA

Felícia era uma menina muito bonita, mas tinha um grande defeito, Felícia sempre desobedecia.

Se sua mãe mandasse ela ficar parada, aí é que ela se mexia. Se mandasse a menina ficar calada, Felícia falava ou até gritava. Se mandavam ela descer, subia. Ficava de pé se a ordem era ficar sentada. Se era para estudar, brincava. Se era para brincar, brigava. Até uma hora que ninguém mais aguentava.

Brigavam com ela o tempo inteiro, até quando ela não estava errada, afinal era só acontecer alguma trapalhada pra todo mundo pensar que a Felícia era a culpada. E o pior é que a Felícia se sentia super injustiçada… até o dia que ela resolveu fugir de casa.

-Claro, se eu fugir de casa, minha mãe vai ficar super preocupada, vai se sentir culpada, vai implorar pra eu voltar e nunca mais vai brigar…

Era assim que ela pensava que tudo aconteceria. Estava tão empolgada, seu plano infalível de certo funcionaria. Escreveu uma carta bem triste, dizendo que nunca mais iria voltar, preparou as sua coisas em uma pequena trouxa e saiu pela janela usando o lençol e a fronha.

Quando se deu conta estava sozinha na rua, iluminada pela luz da lua. Já havia andado um bom tanto a esmo quando começou a pensar:

“Que horas serão agora? Não deve ser nem meia noite. Meus pais ainda vão demorar muito pra acordar e ver a minha mensagem… que viajem! Como eu sou estúpida! Eu devia ter esperado o dia raiar antes de sair pra rua. Já sei, vou voltar pro meu quarto e apenas esperar o dia clarear. Quando o primeiro raio de Sol surgir eu volto a sair. Soa até poético, com certeza vai dar certo”

Felícia parou na mesma hora, virou pro outro lado e começou o caminho de volta. Só então ela pode perceber como as coisas são diferentes após o anoitecer. Felícia olhava, olhava, mas não reconhecia nada. Onde será que ela estava? Estava indo na direção certa? Tinha feito alguma curva na ida ou só andara em linha reta? Felícia começou a ficar preocupada. Estava perdida, não conseguia lembar o caminho de casa.

Na sua garganta um grande nó se formava. Felícia queria chorar, não sabia bem o porquê, mas pra onde olhava, tudo parecia perigoso. As ruas estavam tão escuras, tudo tão silencioso. Ela então ouviu passos atrás de si. Parou . Os passos também pararam. Olhou assustada, não viu nada. Recomeçou a andar, e os passos recomeçaram. Resolveu acelerar, não tinha coragem de olhar. Os passos também aceleraram. Começou a correr e os passos correndo atrás. Parou. E os passos também pararam. Olhou para trás completamente assustada. Não viu nada. Aquilo já era demais. Felícia não aguentava mais. Estava completamente apavorada. Conseguiria voltar para casa? Não tinha dúvidas de que estava sendo perseguida por alguém, mas por quem? Ou pelo quê? Seria esse o fim da sua vida?  O que poderia ser aquilo? Concluiu aterrorizada que só pode ser um vampiro. Mas porque será que ele não me ataca de uma vez por todas e acaba logo com isso? Com medo demais para olhar e encará-lo Felícia resolveu testá-lo. Deu um passo, e o vampiro em seu encalço também deu um passo, quase junto com o dela. Deu dois passos a menina. Deu dois passos o vampiro.

“Ah! Que vampiro malvado, está brincando comigo” Pensou a menina Felícia e resolveu disparar na corrida. Corria pela sua vida, e o vampiro correndo atrás dela. Seu coração parecia que ia saltar pela boca, viu uma janela aberta e resolveu gritar. Mas sua voz não obedeceu, ela estava sem ar. Jogou-se ao chão desesperada. Já não aguentava mais correr, agora iria morrer. Felícia parou para tomar fôlego, pronta para ser atacada. Na sua frente sua vida inteira feito um filme passava e a menina pensava:

“Se tivesse ao menos sido uma filha melhor… se tivesse escutado mais e falado menos, se não brigasse tanto o tempo inteiro, agora não estaria aqui, pronta pra virar jantar, mas agora não tem mais como escapar, meu triste fim eu vou encarar.”

Felícia encheu o pulmão de ar e falou alto e firme pro vampiro escutar:

-Eu sei que é meu fim, pode vim!

E então escutou de volta:

-Pode vim, vim, vim, im, im….

Felícia não entendeu nada, estava tão assustada, falou mais uma vez?

-O que?

E ouviu o eco responder:

-O que, que, e, e, e, e.

-Você só pode estar brincando? Então era tudo o eco?

-Eco, eco, eco, co, co, co, co…

Foi só aí que ela percebeu que tudo não passava dos ecos dos seus próprios passos. Felícia caiu na gargalhada e sua risada ecoava. E pra melhorar ela ainda percebeu que estava em um caminho que ela bem conhecia, pois estava bem na frente da mercearia, onde ela ia quase todos os dias. Aliviada começou a voltar para casa, quando ouviu passos atrás de si, ficou tranquila, sabia que era só o eco que a seguia. Mas os passos aceleraram e foram chegando mais perto.

“Epa, como é que o eco esta andando mais rápido que eu?”

Felícia parou, mas o som de passos continuou. Ela olhou de rabo de olho e viu um homem pálido correndo com a capa preta esvoaçando ao vento. Agora sim era um vampiro de verdade, ali, no meio da cidade.

Felícia saiu correndo em disparada, aterrorizada. Mas o vampiro era maior do que ela e corria mais rápido, quanto mais ela corria mais próximo o vampiro ficava.

Felícia então percebeu que estava na frente de casa, segurou no lençol ainda pendurado, pulou para dentro do quarto e bateu a janela na cara do vampiro matusquela.

Felícia correu para a cozinha pegou uma cabeça de alho, voltou para o quarto botou o alho na janela e ficou embaixo da cobertas rezando para o vampiro não conseguir entrar, prometeu que daquele dia em diante seria uma boa menina e que nunca mais tentaria fugir de casa, tentaria escutar mais e ser mais educada. Até que adormeceu.

No dia seguinte sua mãe estava uma arara e Felícia tomou uma bronca danada. É que o tal vampiro, não era vampiro nada, era só o seu Miguel, dono da mercearia que dormia com a janela aberta e acordou com o barulho da menina. Saiu e viu a Felícia sozinha, de madrugada fora de casa, ficou muito preocupado e por isso a seguiu. Quando pela manhã a mãe da Felícia foi comprar pão para o café, seu Miguel contou sobre a fuga da menina e como sem querer a assustou. A mãe agradeceu, bem que ela merecia ter levado esse susto danado. Ficou uma fera com a filha. Mas Felícia estava tão feliz de ter escapado viva e não ter nem virado vampira, que não ficou tão triste. E aprendeu sua lição. É claro que de vez em quando Felícia ainda faz alguma coisa errada, mas ficou muito mais educada e agora sabe escutar quando um adulto fala.

FIM

………………………………………………………………………………….

Para ver mais contos desse jardim clique no menu no canto direito no alto da página (são esses risquinhos mesmo).

Se quiser entrar em contato visite a página Jardim de Histórias no Facebook ou mande um whats para 8821-0113

Encante suas festas com os contos e as brincadeiras do Jardim de Histórias.